sábado, 14 de novembro de 2009

Uma noite quente, cigarros e os vultos das minhas tristes putas




Imóvel, acompanhava só com os olhos o fado do ventilador girar de um lado para o outro, sem sequer ficar tonto. Meu corpo ainda suava freneticamente e, entre uma tragada e outra, tentava recuperar o fôlego que havia escapado dos meus pulmões. As pernas ainda estavam bambas. Havia me saciado como um animal faminto: sem piedade, calculista e com instintos à flora. Elas, como boas servidoras, saciaram toda a minha vontade por luxúria. Sim, elas, no plural. Minhas amantes, mulheres libidinosas, meus pecados; minhas putas. Cada uma com seu jeito de me enlaçar, domar e prender em seus convidativos pares de coxas.
A mulata tinha olhos de avelã: tão deliciosos quanto a mesma. Nem muito alta, nem muito baixa; tinha ganhado as medidas certas para enlouquecer um conquistador inveterado. Soava como o samba, a bossa, o chorinho; passava pela salsa e suas rodopiadas. Cheirava a mar, morangos e cigarros. Hollywood, na tentativa de uma dia virar estrela conhecida. Por enquanto, só brilhava em alguns lençóis por aí, nem sempre tão brancos. Seu nome de certidão: Lucrécia, mas era conhecida como Lulu Night (em inglês só para dar a sensação de que era artista), pelos frequentadores de seus territórios. Inclusive, eu.
A outra era um tanto pálida. Tinha sinais espalhados por todo o corpo, fazendo o olhar se perder em algum cruzamento. Cabelos curtos, boca carnuda, alta, com mãos ágeis e habilidosas. Essa soava como o jazz, o rock, o pop; às vezes como o blues. Exalava cheiro de incenso, baunilha e cigarros. Não me lembro a marca; é estrangeira, tem nome complicado e é tudo que sei. Tinha bom gosto, era refinada. Fora criada em uma família de posses, mas logo se perdeu, possuída pelos mais diversos tipos. Não aspirava algo em especial como a mulata, mas sempre suspirava pelos cantos. Seu nome, Eduarda. Mas era por Grampola que respondia.
E eu as tinha agora. As duas, levadas ao mundo dos sonhos por Morfeu. Expeliam prazer pelos poros da pele, distribuíam carícias com as mãos, irrigavam-me com as línguas. Mas estavam vazias. Estavam vazias e tristes e eram seus olhos que as denunciavam. Acendi outro cigarro na tentativa de distrair-me daquelas janelas sorumbáticas. Mas em vão. Eu já estava preso, envolvido, tocado. Só me restava olhar mais fundo, explorar. E quando pensei que houvesse me perdido em algum labirinto, foi que achei o tumor, a causa de tanta melancolia: os olhos estavam implorando, em pró delas, para serem amadas, cativadas, aconchegadas. Queriam ser putas de um só homem. Queriam um homem só para serem putas.
Comovido, confuso e tentado ao convite de tê-las para mim, acendi mais um cigarro na esperança de entreter-me com a fumaça. Maldita hora que fui me meter a besta de ler os desejos dos olhos de uma puta. Ainda por cima, de duas.
Ah! vamos lá homem...Não deve ser tão ruim assim tentar juntar corações desabrigados. Ou é?
Equanto não descubro, acendo um cigarro.





P.S.: Gente finalmente achei o tal do tempo e um texto! Obrigada a todos pelos recados de incentivo. Um cheiro apertado em cada um: nos que já são de casa e os que estão chegando. Bom final de semana.
P.S.2: Quando disse que seria breve, nem mesmo eu tinha noção que realmente fosse tão rápido. Coisas do tempo zombador, vai saber...

7 Por aqui, um pouco mais de "etc.":

airlon disse...

ho ho ho, ela voltou! Esse tal Tempo é muito escroto mesmo (permita-me o uso da palavra); bjo, saudações musicais!

APS

Luna Sanchez disse...

Nana,

acho linda a forma como passeia pelo universo masculino, e nos traz tua visão, tua versão do que se passa pela mente e pelo coração desses seres tão...complicados!

Belo texto, gosto muito, e sempre.

Beijos, e fique aqui, tá? Zombe do tempo, agora.

ℓυηα

Amanda O. disse...

Volte, mulher. O tempo quem faz é você!

Um beijo.

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

INSCRIÇÕES PARA BLOGAGEM COLETIVA ENCERRADAS



Aviso sobre o sorteio do NOVO ORKUT:



Acabamos de receber os convites do novo orkut e só vieram 5. Não sabemos se o orkut vai liberar mais convites, mas esperamos a compreensão de todos. Caso o orkut não libere até o dia da blogagem, o restante dos ganhadores irão receber um presente por sedex. Confiam no meu bom gosto? Infelizmente o orkut não nos deixou honrar os 10 convites, mas daremos 5 Bíblias Sagradas, já que estamos perto do natal. O sorteio vai ser pelo site Random. Os 5 primeiros serão ganhadores do convite do novo orkut.

E depois faremos mais 5 sorteios que receberão via sedex o nosso carinho.


-------------


Aviso sobre a BLOGAGEM COLETIVA:


Nós vamos colocar um sistema de votação onde todos os participantes serão incluídos. Não nos achamos no direito de escolher nenhum conto ou texto. Até porque todos nós, que amamos a palavra, sabemos que cada um tem sua magia. Então Jota Cê e eu vamos colocar do lado direito uma votação. Os 10 textos mais bem votados receberão o layout ou o scrapbooking digital que será feito pela Lelinha da Fábrica de Layouts.

-------------

Se eu pudesse, eu juro, daria um abraço com cheiro de Néctar da Flor, bem forte, em todos vocês...


Beijos jogados no ar, sempre!


-

Deize Almeida disse...

muito bom!!

Flor de Azeviche disse...

Nossa, que perfeito.

Um beijo.

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Acabei de chegar de viagem e Jota Cê ainda está voando, chega só à noite. Estou com tanta saudade de vocês, acreditam? Esse carinho pelas palavras faz uma falta, mas sei que vocês sabem que essa ausência foi por uma boa causa. Amanhã é nossa blogagem coletiva e vou esclarecer o método para alguns que não entenderam:

1- Todos os participantes vão ter que postar o seu conto/texto no seu blog com o selo da postagem.
2- Só vai participar do sorteio do orkut e das bíblias quem participou da blogagem
3- O sorteio do orkut vai ser pelo randon e vou dar um jeito pra ser filmado no dia 25/11
4- A votação da blogagem começa no dia 25/11 e todos os participantes irão concorrer.

Agora vou ver se durmo um pouco... tô numa saudade que nem sei... a distância maltrata, mas o amor acarinha com aquele dengo danado de bom.

Beijos jogados no ar, sempre!

Rebeca


-