sexta-feira, 26 de junho de 2009

A pequena da boca carnuda pintada de vermelho





Tenho cá minha suspeita de que tenha sido a boca carnuda pintada de vermelho que prendeu minha atenção nela.
Ou terá sido o sorriso fácil que aparece de minuto em minuto?
Pode ter sido também a rusga pregada na testa, como se tudo aquilo que não fosse dito por ela fosse um absurdo.
Cheia de si a pequena. Tão cheia assim, que qualquer dia desses, cria asas e foge por aí a vagar no mundo.
Quase me contentando que tenha sido isso que me cativou, lembrei-me dos olhos. Nunca vi par de oríficios tão nítidos como o dela. Fitavam, examinavam, sondavam, interrogavam, vigiavam e tudo mais que se espera de dois olhos.
Até então muito pouco para prender uma pessoa que já viu de quase tudo nessa vida como eu. Foi então que olhando mais a fundo, espantei-me.
Ao mesmo tempo em que olha, ideias são fabricadas aos montes. E se vê mais coisas pelos olhos dela. Se vê a inquietação, as memórias, os sorrisos guardados e prontos para serem mandados à boca. Se vê o reflexo dela. E se for mais fundo, se vê o seu reflexo por ela.
Quase perdi o fôlego. E olhe que já vi de quase tudo nessa vida para me encantar assim, mas devo confessar que a pequena me desarmou. Era incrível a transparência retratada ali.

Mas devo adverti-los de que não se deve olhar por muito tempo os olhos vivos. Podem perder-se por lá. Depois de toda a transparência, vem a bagunça. Tudo se mistura e de repente ela vira um enigma. Acho que é uma forma de se defender de estranhos que insistem em invadi-la sem pudor.
De repente tudo se nubla e ela fecha o tempo. A rusga da testa continua lá, mas dessa vez pra mostrar que não está nada satisfeita por tê-la lido sem permissão.
Enche o pulmão de ar, lhe roga uns impropérios e se vai. Pra onde, não me perguntem. Tenho cá pra mim que é uma andarilha.

E é aí que me convenço que de pequena nada tem. É grande, espaçosa, inquieta, bonita, e boca suja.
Até hoje não creio nas injúrias que ouvi daquela boca carnuda pintada de vermelho. E tenho dito!






[Texto inspirado nela, a pequena da foto que, a cada texto dela, me faz viajar e sentir que A vida é beijo doce em boca amarga. É uma afinidade que eu particularmente, não ouso tentar explicar. =D]

7 Por aqui, um pouco mais de "etc.":

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

E se ela faz sua inspiração ficar desse jeito, continue sem explicar...sinta!

Lindo!

Beijo grande, menina linda.

Rebeca

-

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Nana,

Você fica linda quando escreve o que sente.

Que seu final de semana seja de luz e com amor.

Rebeca

-

Lily disse...

vc escreve mto bem!! e como são especiais essas pessoas que inspiram, né?

bjksss

Ana Carolina Maia disse...

sincero e honesto, esse seu texto; gostei.

[sigo sim, oras, você escreve bem *-*]

coffee and cigarettes disse...

tenha cuidado com pequenas que pintam a boca de vermelho, de cabelos enrolados que vivem enrolados nas nuvens, te prendem com o mais simples olhar!

Sophia Anônima disse...

Estou bestinha aqui! Eu te inspiro desse tanto?
Você é fantástica, conseguiu arrancar um sorriso sincero dos meus lábios, agora não tão vermelhos assim, e olhe que eu não tenho mais dado risada! No meio de coisas tristes, há sempre uma nesga de coisas bonitas. Obrigada por me dar esse prazer!
Uma beijoca, um abraço apertado, e sinceros obrigados!

Denise disse...

Nanica Nanoca querida

O que é aquilo?
Puta que pariu.......quanta intensidade!

(De) boca suja hj