sexta-feira, 31 de julho de 2009

A ladra e colecionadora de sorrisos...


Já se passaram alguns meses desde que a vi. Foi durante um passeio meu ao parque. Estava fotografando as cenas que mais me chamavam a atenção naquele dia. Gosto de colecioná-las. E foi em uma dessas fotos, que ela me chamou a atenção.

Menina, pernas de pinça, ar peralta. Olhinhos tortos. Não ficava parada nem por um só minuto; não conseguia. Ora pulava, ora corria, ora dava cambalhotas na grama. Desceu pelo escorregador, voou no balanço e se empinou na gangorra. E não se cansava.
Chamava a atenção com suas traquinagens. Tinha uma energia que parecia interminável.
Foi então que percebi quem realmente era. Dizia coisas engraçadas e contava histórias com finais inesperados: a princesa desistiu do trono e casou com o bobo da corte; o guerreiro mata o dragão com um golpe de espada, mas morre de medo de uma barata...Desatinos! Finais desatinados e desparafusados. Mas fazer o que? As histórias são dela.
Inventava brincadeiras, joguinhos. Não parava, não cansava. Sempre em moviMENTO, MOvimento, MOviMEntO, moVIMento...

Decidi fotografar a peralta. Foi aí que descobri quem realmente era: uma ladra! Uma ladra de sorrisos!
Agora estava claro pra mim o por quê de todo aquele show. Era uma distração. Uma forma de arrancar sorrisos dos seus espectadores. Mas pra que? Pra que roubar?
Curiosa e querendo uma explicação, fui ao encontro dela. Chamei pedindo que me contasse uma história; puro pretexto pra ela se aproximar. Quando estava, perto, puxei-a pelo braço e lhe indaguei. Perguntei porque roubava os risos.
Ela olhou para um lado, depois para o outro; pediu que a soltasse e me chamou no canto. Foi então que ela me explicou tudo.
Ela tinha um medo terrível de que um dia ela parasse de ver graça, cor nas coisas da vida; tinha medo de desaprender a sorrir. Então decidiu que roubaria todos os sorrisos que pudesse e os colecionaria. Assim, quando acontecesse de não esboçar mais nenhum riso, pegaria algum da coleção.

Olhei bem para ela. A ingenuidade dela estampada nos olhos...
Não segurei e rir do desejo da menina. A travessa agilmente me roubou e saiu correndo.
Não fui atrás. Sei que estará em boas mãos.

5 Por aqui, um pouco mais de "etc.":

Luna Sanchez disse...

Manhosa, essa pequena. Sábia. Mestre na arte de provocar e roubar sorrisos...

Nem a vi em "moviMENTO, MOvimento, MOviMEntO, moVIMento" (adorei essa construção!), mas, através das tuas palavras doces, ela ganhou um meu, também.

Feliz em te ler, Nana. Sempre.

Dois beijos.

ℓυηα

Nara Murta disse...

[Oiii, visitando seu blog]

Que esperta essa pequena =)


ps: adorei a descrição do blog!

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Tudo o que você escreve, fotografa na memória.

Beijo grande, menina linda.

Rebeca

-

Cristal - a louca. disse...

Adorei o conto!

E os finais das histórias... que engraçadas, bem que sempre achei que a princesa deveria casar com o bobo da corte....

Beijundas ^^

Amanda O. disse...

Quero ver suas fotografias, minha cara!