quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Do que vem à mente e vira um punhado de palavras.

Nem toda genialidade é coerente e/ou compreensível.
Isso pode variar conforme os olhos e para onde estão olhando.
Às vezes, é preciso se desprender da lógica e do real; é preciso querer ir além do que se pode entender.
Porque a depender da fome e da sede, o horizonte pode se tornar finito.


5 Por aqui, um pouco mais de "etc.":

Luna Sanchez disse...

E quando a gente joga no papel (ou na tela) algumas palavras soltas, faltando a tal "liga", mas que nos tocam a alma, que carregam verdade, e vem alguém e desvenda o mistério, coloca aquele pinguinho no i, e a idéia se abre, se revela...gostoso, né?

É bom descobrir-se nos outros, também.

* Tem um selinho pra ti, aqui, ó, moça :

http://coleccion-recuerdo.blogspot.com/2009/08/esse-blog-tem-carinho-cafune.html

Um beijo, Nana.

ℓυηα

airlon disse...

'a gente quer ver o horizonte distante...'; conhece? Bjo, saudações musicais!

APS

Amanda disse...

Quantos horizontes existem para quem enxerga com três personalidades?

Pergunte a Amanda.
Ou a Annabelle.
Ou Alice, quem sabe.

J. Araújo disse...

Nem tudo parece ser o que realmente vemos.

Bj

Luna Sanchez disse...

Nana,

Passei pra dizer que senti tua falta, estou com saudades de te ler.

Dois beijos, apoveite o domingo.

ℓυηα